Dez 10

Mercosul, CPLP, União Europeia ou de como pode crescer o abraço armilar neste tempo de pluralidade de pertenças

E aqui num destes dormitórios de uma megapolis feita selva de betão e poluição, nestes sítios de desespero donde emergiu o sindicalista Lula da Silva, o qual parece agora mergulhar este grande país na tradicional onda de desencanto que ciclicamente o invade, só porque estão em vigar a nível da globalização aquelas regras do jogo que chamam realismo à dependência e moderados aos que, depois de sentados no cavalo do poder, perdem a autenticidade de cumprirem a palavra dada, só porque os donos do poder mundial lhes podem chamar radicais. A pêtismo parece estar a suceder algo de semelhante ao que marcou os tempos do fim do peronismo de Menem, uma maldição que parece afectar todos os recém-chegados às doces delícias da governação e que não querem seguir os exemplos fundamentalistas do terrorismo o ritmo do populismo de opereta que marca Hugo Chávez. Contudo, o presente desencanto da era mensalão não mostra sinais exteriores de degradação, dado que Lula não entrou naquele furor maioritarista com que se costuma enfeitar o populismo e nem sequer procurou encenar o encurralamento político-social que marcou a experiência de Allende. E tudo acontece neste gigantesco país da ultra-tolerância onde o principal inimigo interno não é a guerrilha, mas uma criminalidade sem ideologia que tem a sua selva nas multiplicação das favelas suburbanas. O Brasil padece daquele drama dos emergentes, outrora ditos país em vias de desenvolvimento, com dois terços de excluídos, onde falhou tanto o modernismo autoritário do chamado Estado de Segurança Nacional, como a terapia de choque dita neoliberal daquilo que os argentinos chamaram realismo periférico. Daí que todos olhem atentamente a reunião de Montevideu do Mercosul, onde foi admitida a Venezuela, para se tornar membro pleno ou político, ao lado do eixo Brasil-Argentina, do Uruguai e do Paraguai, e não apenas como membro comercial, como o Chile. Isto é o eixo pode tornar-se numa espécie de triângulo estratégico de potências regionalmente dominantes, atraindo potências secundárias para uma nova dinâmica de integração, como na recente balança de poder da Europa, onde ao eixo franco-alemão acresce a tradicional postura britânica, numa sucessão de convergências e divergências daquela complexidade crescente marcada por sucessivos “oui par le non”, onde a emergência pode ser um europeísmo liberto das teias de certos restos do imperialismo continentalista. Os donos do poder da globalização, incluindo os que emitem o discurso cultural da superpotência que resta, a república imperial norte-americana, se admitem democracia para os cidadãos do respectivo centro, quando exportam a respectiva influência pelos senhorios do comércio, da navegação e da própria conquista, continuam a hierarquizar os efeitos do respectivo poderio, com uma sucessão de povos aliados, dos mais livres aos mais estipendiários, aos dominados pelo ritmo feudal-patrimonial. Há, com efeito, uma geometria variável de dependências, onde se detecta uma “newspeak” de certo pensamento pretensamente único, uma espécie de totalitarismo doce em cujas teias, todos nos vamos amarfanhando, como autómatos de uma abstracta voz do dono. Os grandes donos deste poderio tanto não têm pátria como não têm verdadeiros amigos. Obedecendo à rigidez lógica do “ai dos vencidos”, logo “lavam as mãos como Pilatos” quando os anteriores serventuários são condenados à derrota, não reparando que foram usados e deitados fora. Entretanto, fica-nos um multitudinário “big brother” que reduz os indivíduos a meros consumidores e auditores, como simples elementos fungíveis, onde se nota a crescente proletarização das antigas classes médias e das profissões ditas intelectuais, onde o próprio espírito se reduz a simples elemento de produção de um mero serviço, sujeito às flutuações do mercado e à ditadura do mediático. É por isso que, aqui e agora, em Brasília, quero ir além daquilo que António Ferro considerava os Estados Unidos da Saudade e reparar como Brasil e Portugal, se mobilizarem os restantes países lusófonos, poderão afinar, pela língua e pelos afectos, a principal língua do hemisfério Sul. E basta aliarmo-nos globalmente aos nossos irmãos de língua castelhana para cumprirmos o sonho de Oliveira Martins, expresso nas últimas páginas da sua História da Civilização Ibérica. Só quando estou no Brasil e penso o abraço armilar é que não me incomoda o iberismo, este necessário eixo cultural que pode equilibrar o Ocidente, preso em demasia à ilusão anglo-americana.

Dez 10

Mercosul, CPLP, União Europeia ou de como pode crescer o abraço armilar neste tempo de pluralidade de pertenças

E aqui num destes dormitórios de uma megapolis feita selva de betão e poluição, nestes sítios de desespero donde emergiu o sindicalista Lula da Silva, o qual parece agora mergulhar este grande país na tradicional onda de desencanto que ciclicamente o invade, só porque estão em vigar a nível da globalização aquelas regras do jogo que chamam realismo à dependência e moderados aos que, depois de sentados no cavalo do poder, perdem a autenticidade de cumprirem a palavra dada, só porque os donos do poder mundial lhes podem chamar radicais. A pêtismo parece estar a suceder algo de semelhante ao que marcou os tempos do fim do peronismo de Menem, uma maldição que parece afectar todos os recém-chegados às doces delícias da governação e que não querem seguir os exemplos fundamentalistas do terrorismo o ritmo do populismo de opereta que marca Hugo Chávez.

 

Contudo, o presente desencanto da era mensalão não mostra sinais exteriores de degradação, dado que Lula não entrou naquele furor maioritarista com que se costuma enfeitar o populismo e nem sequer procurou encenar o encurralamento político-social que marcou a experiência de Allende. E tudo acontece neste gigantesco país da ultra-tolerância onde o principal inimigo interno não é a guerrilha, mas uma criminalidade sem ideologia que tem a sua selva nas multiplicação das favelas suburbanas.

 

 

 

O Brasil padece daquele drama dos emergentes, outrora ditos país em vias de desenvolvimento, com dois terços de excluídos, onde falhou tanto o modernismo autoritário do chamado Estado de Segurança Nacional, como a terapia de choque dita neoliberal daquilo que os argentinos chamaram realismo periférico.

 

Daí que todos olhem atentamente a reunião de Montevideu do Mercosul, onde foi admitida a Venezuela, para se tornar membro pleno ou político, ao lado do eixo Brasil-Argentina, do Uruguai e do Paraguai, e não apenas como membro comercial, como o Chile. Isto é o eixo pode tornar-se numa espécie de triângulo estratégico de potências regionalmente dominantes, atraindo potências secundárias para uma nova dinâmica de integração, como na recente balança de poder da Europa, onde ao eixo franco-alemão acresce a tradicional postura britânica, numa sucessão de convergências e divergências daquela complexidade crescente marcada por sucessivos “oui par le non”, onde a emergência pode ser um europeísmo liberto das teias de certos restos do imperialismo continentalista.

 

Os donos do poder da globalização, incluindo os que emitem o discurso cultural da superpotência que resta, a república imperial norte-americana, se admitem democracia para os cidadãos do respectivo centro, quando exportam a respectiva influência pelos senhorios do comércio, da navegação e da própria conquista, continuam a hierarquizar os efeitos do respectivo poderio, com uma sucessão de povos aliados, dos mais livres aos mais estipendiários, aos dominados pelo ritmo feudal-patrimonial. Há, com efeito, uma geometria variável de dependências, onde se detecta uma “newspeak” de certo pensamento pretensamente único, uma espécie de totalitarismo doce em cujas teias, todos nos vamos amarfanhando, como autómatos de uma abstracta voz do dono.

 

Os grandes donos deste poderio tanto não têm pátria como não têm verdadeiros amigos. Obedecendo à rigidez lógica do “ai dos vencidos”, logo “lavam as mãos como Pilatos” quando os anteriores serventuários são condenados à derrota, não reparando que foram usados e deitados fora. Entretanto, fica-nos um multitudinário “big brother” que reduz os indivíduos a meros consumidores e auditores, como simples elementos fungíveis, onde se nota a crescente proletarização das antigas classes médias e das profissões ditas intelectuais, onde o próprio espírito se reduz a simples elemento de produção de um mero serviço, sujeito às flutuações do mercado e à ditadura do mediático.

 

É por isso que, aqui e agora, em Brasília, quero ir além daquilo que António Ferro considerava os Estados Unidos da Saudade e reparar como Brasil e Portugal, se mobilizarem os restantes países lusófonos, poderão afinar, pela língua e pelos afectos, a principal língua do hemisfério Sul. E basta aliarmo-nos globalmente aos nossos irmãos de língua castelhana para cumprirmos o sonho de Oliveira Martins, expresso nas últimas páginas da sua História da Civilização Ibérica. Só quando estou no Brasil e penso o abraço armilar é que não me incomoda o iberismo, este necessário eixo cultural que pode equilibrar o Ocidente, preso em demasia à ilusão anglo-americana.

Dez 10

Para reaportuguesarmos Portugal, através da importação de novos estrangeirados

Quase madrugada de sábado, nesta cidade do sertão que o sonho de Juscelino edificou aqui num hotel da Asa Norte, apenas para não lamentar a circunstância de estar sem notícias sobre a campanha das nossas presidenciais. Ontem houve uma boa notícia para alguns portugueses que se interessam por matérias de ciências sociais e humanas: a jovem portuguesa Raquel Patrício tornou-se na primeira doutorada pela Universidade de Brasília em Relações Internacionais, de acordo com o programa lançado há quatro anos.

 

A banca presidida pelo Professor Amado Cervo, contou com a presença dos professores Estêvão Martins, Norma Breda Santos e Vizantim. Fui o arguente estrangeiro convidado e tivemos a honra de ter, entre a assistência outro aluno e docente convidado do ISCSP, o Embaixador Francisco Seixas da Costa. O espírito desse grande português e brasileiro que participou na fundação da Universidade de Brasília, chamado Agostinho da Silva esteve sempre presente. Julgo que todos fomos portugueses à solta e que importa fomentar esta importação de estrangeirados vindos do Sul da lusofonia, porque talvez assim se possa cumprir o objectivo estratégico de reaportuguesarmos Portugal…