Foram dias plenos de frio e de sonho…

Foram dias de semi-chuva e semi-vento, com o mar verde e cinzento, velas ao largo e ondas plenas de espuma. Foram dias plenos de frio e de sonho, com paragem naquela cidade que me deu cidade, o meu Porto da infância, hoje cheio de lixo e de luxo, mas com os mesmos lajedos de granito, de quem desce da Sé para a Ribeira, onde há memórias de muitas cheias, nesse cantinho do Aniki-Bóbó, diante de janelas de guilhotina e varandas com roupa a secar, nessa viagem do Infante para a Cantareira, onde me lembro sempre dos textos de Raul Brandão. O Porto-cidade que me deu cidade, quando havia o Jaburu, no futebol, e o Alves Barbosa, na Volta a Portugal. E de tão intensas peregrinações pelas raízes de quem fui e ainda sou, reforçou-se o calor de quem sonho ser, até porque fui capaz de vencer o cinzento das nuvens e nem sequer reparei na cultura funerária que enredou os factos políticos destes dias, onde não emiti postais. Reparei que, neste tempo de gaivotas em terra, tanto os actores políticos mais mediáticos como os próprios fazedores de opinião quase silenciaram o 1º de Dezembro, preferindo ter breve depoimento sobre os 25 anos do caso Camarate, mas sem o compararem com a morte de D. João VI em 1826, o ponto de partida para os magnicídios do Portugal Contemporâneo, com o regicídio de 1908, o assassinato de Sidónio em 1918, a Noite Sangrenta de 1921 o assassinato de Delgado em 1965 e o desparecimento de Sá Carneiro e Amaro da Costa em 1980. Porque em todos estes magnicídios o crime acabou por compensar e a investigação política e judiciária a não resultar. Nesta série de magnicídios, os “serial killers” tornaram-se sempre “questões ideológicas”, embrulhadas pela teoria da conspiração dos ditos “brandos costumes”. Em 1826, dividem-se as hostes sobre o envenenamento, só provado quase século e meio depois, entre os adeptos do cozinheiro absolutista e os denunciadores do médico liberal, enquanto noutros casos, se sabemos quem carregou no gatilho, continuamos sem saber quem deu ordem para matar, pelo que acabamos todos feitos buiças ou buissidentes, para candidatos presidenciais ou membros primeiros das comissões de honra fazerem discursos de literatura de justificação. Prefiro nem sequer imaginar o que seria de nós se voltasse a acontecer 1383 ou 1580, dada a nossa impossibilidade de organização da resistência. Porque se a invasão se avizinhasse, teríamos de esperar mais sessenta anos para que frutificassem as sementes lançadas por D. João de Castro e pelo Manuelinho de Évora, ao contrário do que aconteceu com o cerco de Lisboa, o quadrado de Aljubarrota ou as Cortes de Coimbra. Porque não há nenhum Álvaro Pais entre os banqueiros e cavalheiros da indústria, porque D. Nuno não tem nenhum general que lhe assemelhe, e porque o Professor Canotilho de Miranda não se assemelha a João das Regras. Também não há um qualquer João, Mestre de Aviz, que pudesse ser fabricado rei pelo interesse nacional. Agora, outras são as circunstâncias e, apesar de sermos os mesmos homens e mulheres, lavaram-nos as boas memórias que nos davam autonomia.

Comments are closed.