A Ilha Verde e Vermelha de Timor e um ministro sidonista

E eis-te no fim do mundo,

Costa verde e vermelha de Timor!

Mas que divina, extraordinária cor,

A do teu céu, a do teu mar profundo!

É d’oiro a manhã de Dili.

(Alberto Osório de Castro)
Não foi por acaso que Ruy Cinatti dedicou Um Cancioneiro de Timor a quem editou, em Dili, no ano de 1908, Flores de Coral. Ambos chegaram ao amor de Timor pela misteriosa capacidade de sentir e de amar a Terra, o Homem e Deus, como Jorge Dias disse do primeiro. Porque Alberto Osório de Castro, aqui magistrado no crepúsculo da monarquia e que até há-de ser ministro da justiça da República Portuguesa, no sidonismo, é mais do que as aparências de um título: A Ilha Verde e Vermelha de Timor, Lisboa, Agência Geral das Colónias, 1943. Basta assinalar que os primeiros versos desta publicação surgiram na revista Seara Nova, em 1928. É melhor lê-lo, integrando-o no seu tempo: de colega, e íntimo amigo, de Camilo Pessanha.

Na frescura das ribeiras.
Murmura perpetuamente
A verde sombra virente
Das gaboeiras
À contemplação da paisagem em Fahi-ten
Saudades são a lembrança
Dalgum bem que nos deixou
P’ra sempre, e sem esperança
De volta, o bem que passou.
E passa mesmo a lembrança
De todo o bem que findou
Depois de uma viagem de regresso Lahane
Alto vale de Lahane, ermo e divino,
No murmúrio das águas! Quantos dias
Por tuas sombras divaguei, absorto
Na beleza da vida morredoira,
Face do mundo misteriosa e vária…

 

 

A infinda noite opalescente
Sobe, arrebatadoramente,
A fugir de todo o olhar,
Céu tão claro, tão surpreendente,
Que sente a alma, longinquamente,
Como um voo do céu aflar.
A asa translúcida e nevada
Roça de leve a cumeada,
Adeja, e perde-se a alvejar
Na azulada noite doirada…
Presença alada enamorada
Da imensidade do luar.

Comments are closed.