O Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda são dez anos de investimento político de antigos revolucionários profissionais. Exerce a função tribunícia dos Verdes europeus, ao ritmo da esquerda revolucionária, vive, sobretudo, da palavra e já é mais do que mero contrapoder. Porque o Partido Socialista deixou de ser soarista, isto é, reciclador de ex-comunistas e ex-extrema-esquerda.  Portugal tem o sistema partidário mais estático e mais hipócrita da União Europeia. Porque conservando o que está, o poder pelo poder, já passou a fronteira do reaccionário, com todos os tiques da esclerose salazarenta . Nem sequer compreendemos que o principal líder da União Europeia passou a ser Obama, apesar da muitas empresas de sondagens darem alento artificial ao situacionismo. Mas bastava a da LSE, mais antiga, e abrangendo todos os 27, para compreendermos como nos falha uma universidade pública como referência de estabilidade, não dependente das contratualizações. Vitalino teve a coragem de dar a cara, mas ninguém do grupo parlamentar do PS nem da presidência do parlamento apareceu em solidariedade. E não transformem Vital Moreira em bode expiatório!

Os principais aliados da CDU e do Bloco de Esquerda são os feitores da direita dos interesses e os capatazes desta economia privada sem economia de mercado, com lenta administração da justiça e um Estado com muita adiposidade de aparelhos, pouco músculo e quase nenhum nervo. A política passa a viver ao ritmo de comissões parlamentares de inquérito e de buscas do MP e da Judiciária. Como é difícil ser liberal em Portugal e assumir o ritmo da restante Europa… A democracia foi derrotada pela falta de comparência. Sitiada pela corrupção e pelo indiferentismo, caso não volte a confiança pública, podemos encenar uma democracia sem povo, mas com muita partidocracia, onde vencer poder equivaler ao ser vencido. A abstenção não é uma causa da futura crise. Foi apenas um sintoma, quando a indiferença já é azedume e pode volver-se em explosão, se se confirmarem os sinais do “out of control”.

 

Comments are closed.