Dez 22

E tudo o vento vai levando, neste cantinho de moinhos decepados

Partido onde não há votos, todos ralham e ninguém tem razão. Dizia-se do CDS freitista: “um grupo de amigos que cordiamente se odeiam”. Repete agora Santana sobre o PSD é “uma federação de pessoas que se detestam”. É tudo um problema de fome.

Foi, portanto, penoso ver, ontem, a Drª Manela, armada em Sancho Pança, num discurso para telejornal, não perceber o que ela própria tinha escrito, quando atingia o clímax comunicativo.

Foi, aliás, directamente proporcional ao discurso de Sócrates, no mesmo palácio dos jantares de Natal, numa caricatura de Quixote, elogiando Sérgio Sousa Pinto e Ricardo Rodrigues.

Todos eles são combativos. Pena que faltem moinhos, com tanto ventania…

Hoje foi Sócrates II, na casa da democracia, fazendo má propaganda. Porque a boa propaganda é aquela propaganda que não parece propaganda. Temo que, entre os situacionismos e as oposições, continuem a faltar lugares comuns e sem estes não pode haver diálogo. Temo que os adversários se transformem em inimigos…

Dez 22

Domingo, entrevista

Perfil:

 

Assume-se da direita, porque é liberal à antiga, mas pensa ser um desencantado, sempre aliado aos sonhadores activos de todos os quadrantes, desses que querem viver como pensam, com saudades do futuro. Por isso, ainda tem esperança na politica embora a exerça fora do sistema das pressões das forças vivas e do conservadorismo da partidocracia. Peretence à antiquíssima academia dos homens livres e só por acaso está no circuito das honrarias univiversitárias, mobilizando-se bem mais pelo abraço armilar da lusofonia, esse caminho de afectos para a  urgente república universal.


1 -Acredita que o governo de José Sócrates vai resistir aos “ataques” das oposições e sobreviver a 2010, apesar da minoria parlamentar?

 

Sócrates pode resistir tanto como António Maria da Silva, dado que os instrumentos de controlo social da presente ditadura da incompetência, ainda tem suficientes recursos para que continue a teatrocracia de endireitas contra canhotos, para que os bonzos finjam que o rotativismo devorista permaneça. Quando, entre eles, se trocam qualificações como “inimputável”, “palhaço”, “vendido”, “esquizofrénico”, “aldrabice”, “trafulhice”, “tropa-fandanga”, “burrice”, eles apenas confirmam que o o Estado são eles. Vale-nos que temos um povo com brandos costumes, mas que, sem ser por acaso, é o que mais assassinou figuras cimeiras do Estado no século XX. Temam a revolta dos mansos!  Contrapartidas de armamento, trocas do BPN, afundações, baldrocas do BCP, sucatas e escutas, é, o grão a grão, com que se vai enchendo o papo. Não o da revolta. Não o da indiferença. Mas o do desprezo.

 

2 – É de esperar que algum partido da Oposição apresente uma moção de censura ao Governo? Qual he parece ser o partido mais disposto a avançar com uma iniciativa desse género?

 

O sinal dado pelo bolinho de mel do jardim madeirense em São Bento, se é menos do que um queijo limiano, pode ameaçar a funcionalidade da confraria do azeite porteira. Até o PS já concluiu que a democracia pode funcionar com o apoio do que apodava como défice democrático. A velha raposa de Alberto João, apesar de continuar a dizer que é perseguido por certa maçonaria internacional, tornou-se lebre….

 

3 – A acontecer um cenário de queda do actual Governo, como acha que os eleitores vão reagir?

Julgo que se vive uma espécie de degenerescência íntima do regime, naquilo que qualifico como privatização clandestina dos antigos serviços públicos, pela sublimação da velha engenharia feudal da cunha, destruidora da meritocracia. E tenho a consciência que alguém assumir um programa anti-estatista em Portugal, onde há quase um quinto do eleitorado a votar PCP e BE, como um enorme centrão socialista e social-democrata e um PP pouco liberal, será mera voz que clama num deserto de utopias intervencionistas que são a principal causa de sucessivas derrotas dos portugueses…

 

4 -  No PSD discute-se a liderança. É de esperar que o próximo líder consiga pôr o partido a falar a uma só voz, ou vamos continuar a ver o PSD dividido, continuando os ataques ao líder a ser a regra?

O PSD enredou-se na função de ser outra face da mesma moeda do rotativismo devorista. Aqui e agora, o situacionismo dos vários estados a que chegámos, sobretudo o dos micro-autoritarismos sub-estatais, já não teme esse tipo de opositores, os tais que podem tornar-se convivas da alternância na gamela. Apenas odeia os dissidentes que não se transformam na oposição que lhes convém e que não se confundem com os tradicionais inimigos da democracia. Apenas desejava que o partido de Sá Carneiro retomasse a sua pulsão libertacionista dos tempos da fundação.

 

5 – Educação e Justiça têm sido, nos últimos anos, as pastas mais sensíveis da governação. Que novidades podemos esperar nestas áreas durante o próximo ano?

Apenas recordo um Mouzinho da Silveira que, ainda no Porto, em plena guerra de pedristas contra miguelistas, logo se demitiu da pasta da fazenda, quando resistiu ao oportunismo das expropriações, a velha tentação absolutista, a que continuam a dar o nome de Estado… Aliás, quando acusam os liberais de anti-estatismo, esquecem que quem edificou o Estado Contemporâneo foram as revoluções liberais. E o nosso resultou do programa de Mouzinho da Silveira, quando centralizou os impostos que o povo sempre pagou, mas que no “Ancien-Régime” eram desviados para o clero e a nobreza, ordens às quais cabia as políticas de educação, saúde, defesa e segurança! Por mim, continuo a dizer que quanto mais estatismo, mais corrupção! Sobretudo quando surge o Estado-Empresário que se transforma em patrão, tanto através de “empresas públicas”, como de “empresas de regime”. Mesmo nos ditos países nórdicos da Europa, se há um robusto Estado-Companhia de Seguros, não há nenhuma tentação de intervencionismo na economia… Por outras palavras, o direito não é a vida. O direito vigente são meras relações jurídicas, isto é, uma minoria das relações sociais. Logo, nem tudo o que é lícito é honesto e a licitude nem sequer corresponde a um mínimo ético. Porque a moral  e o direito não são círculos concêntricos, apenas coincidem nalguns segmentos. Hoje foram totalmente confundidos pela teledemocracia.

 

6 – Em 2011 há eleições presidenciais, pelo que é de esperar que as candidaturas apareçam em 2010. O cenário de confronto entre Cavaco Silva e Manuel Alegre é o mais provável?

Hoje não há nomeações, mas eleições. Só que, em muitos cargos electivos, o colégio eleitoral é substituído pelos que podem lançar os nomes dos plebiscitáveis ao povo, isto é, vivemos num sistema bem mais gravoso do que o censitário, dado ser uma colecção de elegíveis, definidos pelos restritos electivos que os previamente eleitos nomeiam, para que, de eleitos, passem a elites que nada têm a ver com o mérito.Porque o essencial do poder conquistado (o estadão a que se chegou) é o mesmo procurar manter-se, com muita música celestial disfarçando o “apartheid”. Quem diz organização, diz necessariamente oligarquia, isto é, a degenerescência da aristocracia, e na véspera do cesarismo.

 

7 -  Em 2009, a relação entre Cavaco Silva e José Sócrates foi marcada por várias polémicas e desentendimentos públicos. O que podemos esperar do entendimento entre o Presidente da República e o primeiro-ministro?

Pouco interessa esse teatro de indícios que alimenta comentadores e analistas, como o tenho sido. O importante, em Portugal, não é ser ministro, é tê-lo sido. Sobretudo, quando ainda se têm colegas no poleiro. Sempre podem ser um importante elemento de consultadoria e pressão, por causa dos meandros da mesa do orçamento. E, entre um grupo empresarial de obras públicas e um estabelecimento de ensino, pouca é a diferença de pecado, na privatização já não clandestina do que deveria ser público.

 

8 -  Com o desemprego a pressionar as despesas do Estado e o défice das contas públicas em aparente descontrolo, será possível ao Governo manter a promessa de não aumentar mais impostos?

 

Quando os jornais, no século XIX, substituíram o púlpito, dizia-se que conquistar o poder era conquistar a palavra. Desde Kennedy que entrámos em mediacracia mais videopoderosa. Política já não é apenas o que parece, mas a percepção do homem comum sobre o que aparece e que pode não ser o que é previamente ensaiado pelas agências de comunicação. Por outras palavras, se é inevitável o realismo de quebra do ciclo do endividamento, com medidas drásticas, temo que continuemos a música celestial de mais “imagem, sondagem e sacanagem”.

 

9 – Quais são, no seu entender, os temas que mais vão marcar o debate politico em 2010?

Anda tudo irascível, sempre à procura do adjectivo demoníaco que dê uma desculpa para ninguém dialogar com o adversário. Todos parecem carecer daquela ciência certa do ideologismo e daquele poder absoluto que adora pisar o opositor com um insulto. Será que o novo D. Sebastião não passa de um contabilista que se assuma como disciplinador externo? Alcácer-Quibir ainda nos mata. Depois do “sebastianismo científico”, o do esquerdismo marxiano ou fascitóide, e do sebastianismo merceeiro, o da ditadura das finanças, há muitos que anseiam por um qualquer invasor suave que nos traga “a bela ordem”, sobretudo se ele chamar “libertação” à efectiva ocupação heterónoma das coisas e das mentes.

 

10 – A aprovação do tratado de Lisboa abriu lugar a várias mudanças na União Europeia. O que é que podemos esperar de diferente?

O sonho de sempre, uma Europa, nação de nações, sem um super-Estado, mas com uma democracia de muitas democracias. O resto é saber se o Sarkosy sai do eixo e passa a preferir Londres a Berlim, de acordo com o ritmo da nova “Weltpolitik” de Washington…

 

11 – A discussão sobre a regionalização está de volta ao debate politico. Haverá, desta vez, condições para se fazer uma reforma administrativa desta natureza?

 

Não sou socialista nem social-democrata, logo quero menos “Estados”, mais sociedade e mais autonomia dos cidadãos, enquanto indivíduos, porque importa reinventar o aparelhismo, para deixarmos de ter os “donos” do costume

Essa abstracção chamada Estado passou a ser a medida de todas as coisas e ai de quem diz que devemos ter menos aparelho de Estado na economia e na sociedade, sobretudo quando já não há apenas o Estado português a que chegámos, mas um “Leviathan” plural, desde a União Europeia ao modelo de globalização da hierarquia das potências…

 

12 – Em relação à sua vida pessoal e profissional , que projectos tem para 2010?

 

Acabar o livro dito científico que tenho em conclusão e voltar ao livro de poesia que está quase em ritmo de unidade de sonho. Isto é, continuar o programa de viver como penso, mesmo que venha a ser, mais uma vez, punido pelas máquinas do respeitinho. Tenho péssimas relações com o poder quando ele entra em ilusão revolucionária ou em decadência situacionista…O essencial da nossa permanecente crise é, como dizia Sérgio Buarque de Holanda, a grande dificuldade de adaptação às virtudes do cálculo que estão na base dos formais planeamentismos colectivos, esquecendo a procura do paraíso pelos homens concretos, com aventura e pragmatismo… O nosso individualismo tem a ver com a aventura, pela visão de um Paraíso, misto de riqueza mundanal e beatitude celeste. Quando somos criativos e imaginativos como povo, não costumamos rimar com comemorativismos nem com subsidiologia…

 

PS – A entrevista inclui o pequeno perfil do entrevistado, pelo que lhe peço que indique a sua idade e projectos profissionais em que participa neste momento, para além da docência no ISCSP