Out 18

A cicuta orçamentada ou a cápsula Fénix?

E lá acordamos para mais um dia de triste e vil tristeza orçamentada, nós, os servos da gleba hipotecária, sem direito a enfiteuse, a emigração ou ao pé-de-meia, para podermos gritar que não foi o fascismo que voltou, mas um devorismo patrimonialista e neofeudal, com um estadão armado em mercantilista, tecendo loas ao superministro de sinal na cara… Se este orçamento passar, sem mácula, em nome do calculismo das presidenciais e da futura alternância da velha manha politiqueira, receio que o sonho da nação, da república e da comunidade passe por um programa espiritual de extinção do Estado, cada vez mais cão de guarda de interesses, alimentado por impostos… Estamos como nos primeiros vagidos do século XX, quando Fernando Pessoa alinhava na greve académica e Afonso Lopes Vieira traduzia Kropotkine. Foi nessa onda de anarquismo místico que se forjaram as éticas de convicção que ainda nos podem regenerar, se começarmos pela única essência que nos resta: o indivíduo diante do infinito! Pobre de mim, tradicionalista, que apenas sonha corrigir o desvio absolutista que nos levou ao desespero das revoluções, quando sempre precisámos de revoluções evitadas, como foi a inglesa e a norte-americana e como o tentou ser o nosso cartismo, nessa velha arte do regime misto, como o foi a república romana que resistiu ao cesarismo. Logo, subscrevo a necessidade de extinção deste estado a que chegámos… Antes de Mouzinho da Silveira não havia hipótese de greves como a prometida pelo sindicato dos trabalhadores dos impostos. Há quem tenha uma solução à maneira medieval: contratar os fiscais da EMEL para o efeito, ou, então, os chamados “cobradores do fraque”. Os adeptos do progressismo, podem fazer um concurso público internacional e arrematar a tarefa a um parceiro qualquer da União Europeia. Já os judeus detestavam os publicanos, tal como hoje muitos consideram que o Estado a que chegámos em forma de estadão, constitui uma entidade ocupante da república e, portanto, um estrangeiro, quando, para citar Merkel, a política de multiculturalismo falhou redondamente. E não é por acaso que os multadores da EMEL raramente são autóctones… Havia os prognósticos depois do apito final. Desta, têm que ir à falência todos os apostadores. Porque deixou de haver risco. Antes de o serem, as coisas já o eram, conforme a tal ideia de suspensão da coisa. Os anúncios de Marcelo revelam o velho branco é, galinha o põe…mesmo que esteja choca! Que choca…vem de chocallho, evidentemente! Tem a ver com aquela alimária que vai para a arena em regimes de toureio que não admitem a morte do bicho em directo. É pela calada, atrás do palco, que o transfiguram em bife… Há quem diga que esta mistela, o tinto a martelo do orçamento, deve ser tragada porque pode ser cicuta, para envenenar o dito, numa espécie de embuiçamento. Não sou a favor destes sucedâneos de regicídio e sempre recordo que o homónimo de Atenas não foi suicidado pelos adversários, auto-extinguiu-se para cumprir as leis da “polis”, incluindo as más, para dar o exemplo.

Out 18

Freitas, a Europa e a gripe das aves

De visita à capital russa, Freitas do Amaral não pôde assistir a reunião que decorreu no Luxemburgo, sobre a gripe das aves, nem à conferência de imprensa de Dias da Cunha, sobre a demissão de Peseiro. No entanto, o ministro dos negócios estrangeiros de Portugal deu a mesma garantia de Sócrates, que, na altura, viajava no Metro do Porto, acompanhado por Valentim Loureiro: não há razões para entrar em pânico. O que há neste momento é uma ameaça que se está a aproximar da Europa. Mas ainda não há nenhum caso concreto, garantiu o ministro, que na reunião da UE esteve representado pelo secretário de Estado dos Assuntos Europeus e da Gripe das Aves.

 

 

 

Por nosssa parte, apenas podemos respirar de alívio, graças a estas certezas metafísicas emitidas por este doutor, agregado e catedrático de direito, bom conhecedor de geografia e dos meandros epidémicos dos galináceos. A pátria do cantar à galo de barcelos ainda confia, porque o nosso é feito de barro. Mas como dizia um jornalista da Patagónia, presente na conferência de imprensa da Academia de Alcochete, isto da gripe não passa de uma manobra conjugada das multinacionais suíças produtoras da vacina e dos que pretendem que se vote sim no próximo referendo da Constituição europeia. Por nós, apenas nos recordamos que, nos anos de 1917-1918, vimos a democracia ser afectada pela fome (com assalto a armazéns de víveres), pela peste (a gripe espanhola, dita pneumónica) e pela guerra (a grande guerra), uma tríade que foi acompanhada pelas aparições de Fátima, pela revolução bolchevique e pela subida de Sidónio Pais ao palácio de Belém, primeiro, a tiro, e depois, pelo sufrágio universal e directo.

Out 18

A cicuta orçamentada ou a cápsula Fénix?

E lá acordamos para mais um dia de triste e vil tristeza orçamentada, nós, os servos da gleba hipotecária, sem direito a enfiteuse, a emigração ou ao pé-de-meia, para podermos gritar que não foi o fascismo que voltou, mas um devorismo patrimonialista e neofeudal, com um estadão armado em mercantilista, tecendo loas ao superministro de sinal na cara…

Se este orçamento passar, sem mácula, em nome do calculismo das presidenciais e da futura alternância da velha manha politiqueira, receio que o sonho da nação, da república e da comunidade passe por um programa espiritual de extinção do Estado, cada vez mais cão de guarda de interesses, alimentado por impostos…

Estamos como nos primeiros vagidos do século XX, quando Fernando Pessoa alinhava na greve académica e Afonso Lopes Vieira traduzia Kropotkine. Foi nessa onda de anarquismo místico que se forjaram as éticas de convicção que ainda nos podem regenerar, se começarmos pela única essência que nos resta: o indivíduo diante do infinito!

Pobre de mim, tradicionalista, que apenas sonha corrigir o desvio absolutista que nos levou ao desespero das revoluções, quando sempre precisámos de revoluções evitadas, como foi a inglesa e a norte-americana e como o tentou ser o nosso cartismo, nessa velha arte do regime misto, como o foi a república romana que resistiu ao cesarismo. Logo, subscrevo a necessidade de extinção deste estado a que chegámos…

Antes de Mouzinho da Silveira não havia hipótese de greves como a prometida pelo sindicato dos trabalhadores dos impostos. Há quem tenha uma solução à maneira medieval: contratar os fiscais da EMEL para o efeito, ou, então, os chamados “cobradores do fraque”. Os adeptos do progressismo, podem fazer um concurso público internacional e arrematar a tarefa a um parceiro qualquer da União Europeia.

Já os judeus detestavam os publicanos, tal como hoje muitos consideram que o Estado a que chegámos em forma de estadão, constitui uma entidade ocupante da república e, portanto, um estrangeiro, quando, para citar Merkl, a política de multiculturalismo falhou redondamente. E não é por acaso que os multadores da EMEL raramente são autóctones…

Entretanto, outro nosso indígena, Marcelo, em directo, vindo do Maputo, anuncia recandidatura de Cavaco e viabilização do orçamento pelo PSD. Havia os prognósticos depois do apito final. Desta, têm que ir à falência todos os apostadores. Porque deixou de haver risco. Antes de o serem, as coisas já o eram, conforme a tal ideia de suspensão da coisa.

Os anúncios de Marcelo revelam o velho branco é, galinha o põe…mesmo que esteja choca! Que choca…vem de chocallho, evidentemente! Tem a ver com aquela alimária que vai para a arena em regimes de toureio que não admitem a morte do bicho em directo. É pela calada, atrás do palco, que o transfiguram em bife…

Há quem diga que esta mistela, o tinto a martelo do orçamento, deve ser tragada porque pode ser cicuta, para envenenar o dito, numa espécie de embuiçamento. Não sou a favor destes sucedâneos de regicídio e sempre recordo que o homónimo de Atenas não foi suicidado pelos adversários, auto-extinguiu-se para cumprir as leis da “polis”, incluindo as más, para dar o exemplo.

Out 18

Já nada é porreiro, pá!

Já nada é porreiro, pá! França e Alemanha preparam à pressa uma revisão do Tratado de Lisboa. Diante do mar da dita, afinal era só palha… Subscrevo essa da necessária gestão das dependências, mas temo que nos tenhamos esquecido dessa essência da independência que, como dizia Herculano, sempre foi a vontade de sermos independentes.