As nossas direitas e as nossas esquerdas têm os armários cheios de esqueletos

As nossas direitas e as nossas esquerdas têm os armários cheios de esqueletos, pelo que lamento as cenas do nosso parlamento de hoje, perdidas em jogos florais. Isto é, continuamos a ser enganados por nominalismos, plenos daqueles fantasmas e preconceitos que tanto santificam como diabolizam situações que nos continuam a falsificar… A tirania não é de direita nem de esquerda. É uma besta a abater. E o nosso regime tem pelo menos a legitimidade de poder exigir que outros façam o que temos praticado no domínio dos direitos exigidos pela dignidade da pessoa humana. Kadafi não é dos etéreos da utopia, para ser tratado como uma hipótese académica, aquilo que no ensino do direito se dizem “casos práticos”. E importa recordar que o maquiavelismo, além de uma má moral, também é uma péssima política no médio prazo, mesmo quando pareça ter razão no curto prazo do negocismo e da diplomacia. E pior ainda quando se dedilham palavras como carisma, socialismo ou nacionalismo…

Comments are closed.