Imagem, sondagem, sacanagem.

São Bento ainda guarda memória daquele presidente do conselho que raramente reunia os ministros todos à mesa. Ele bem dizia que, para haver conselho, bastavam dois: ele, sentadinho no sofá de coiro, e o ajudante, ao lado. Que o plenário apenas ratifica o que chefe manda. Perante a crise da velha democracia, marcada pela relação entre o indivíduo-cidadão e o velho Estado, através dos antigos partidos, passámos para um novo mundo. Onde surgem mecanismos dotados de mais complexidade e organizações não visíveis, onde os velhos actores se assumem com a antiga lábia dos caixeiros viajantes… No palco da política, não surgem os credores que comandam os marcados, os que fixam os preços dos bens alimentares, os que facturam com guerras, ou os indefiníveis controladores da produção e distribuição da energia. Nem sequer nos deixam detectar os novos sinais do tempo, depois da explosão inorgânica das manifestações ditas dos indignados. Os nossos donos do poder passado preferem continuar a retórica da velha opinião canalizada dos grandes representantes, sem dar voz a quem ainda não tem voz. Vivemos em encruzilhada e interregno, nesta anarquia ordenada onde manda quem consegue ser mais organizado, numa desorganização onde até se acirram as velhas teorias da conspiração dos ricos que paguem a crise, dos criptocomunistas, dos maçons ou das seitas fundamentalistas ou beatas, para gáudio do propagandismo e benefício das agências de comunicação. Quando se denunciaram sinais de ligação entre a corrupção e a partidocracia, os comandantes desta já perceberam que não podem continuar a alimentar certa teia que os assaltou. Garanto que, apesar de tudo, melhoraram, pelo menos, alguns deles. E na própria Europa, há mudanças boas que vieram de prévias mudanças no interior das partidocracias. Sou dos que ainda joga pela mudança interna no actual regime. Dá mais confiança do que a incerteza das revoluções, onde os pais fundadores são sempre substituídos no dia seguinte dos PRECS…Não sou revolucionário nem tenho alma de revolucionário ou de contra-revolucionário, que vem a dar no mesmo. As novas ou velhas ideologias parecem não aguentar este impacto das circunstâncias, onde não faltam o aleatório de um tsunami ou o erro de construção de uma central nuclear. E soa a ridículo pensar que será o velho Estado, herdado de Salazar e Vasco Gonçalves que nos vai ajudar a navegar na tempestade. Os partidos a que chegámos, como plataformas giratórias da política doméstica e da política internacional, ainda são fundamentais se assumirem com humildade o pequeno papel de mobilização social e comunicação política que ainda lhes cabe, mas desde que não exagerem na política de imagem, sondagem e sacanagem com que vão abusando do poder que resta. Somos gota de água num oceano europeu e ocidental de partidocracia multinacional. Posso discordar, mas tenho de me submeter para sobreviver. Só a partir dos partidos, mas não só, podemos lutar para viver. “Alterum non laedere”, “suum cuique tribuere”, “honeste vivere”, isto é, justiça, justiça de contratos no horizontal da confiança pública, e, a cada um segundo as suas necessidades, desde que antes cada um dê segundo as suas possibilidades, isto é, justiça dstributiva, mas depois de prévia justiça social, como diriam Aristóteles, São Tomás de Aquino e Marx, quase com as mesmas palavras da república romana. Só depois é que as ideologias e os programas de política pública estabelecem modelos de política prática e, sobretudo, a norma oculta de qualquer regime: como aferir o critério da igualdade, igualizando o que é desigual, tanto pela natureza como pela cultura, isto é, por aquilo que o homem acrescentou à natureza, desde a família à economia e, sobretudo, com a política.

Comments are closed.