Abr 17

Protestos de um homem religioso em dia de festa da árvore

Acordei a ver programas religiosos na RTP2. Primeiro, os evangélicos, bons. Depois, o CUPAV dos meus amigos jesuítas, óptimos. Um pouco de espírito faz-nos mais homens. Sobretudo, no dia seguinte a uma tarde de hospital, por causa de um susto que não passou disso mesmo, mas graças a análises e aparelhos, determinou-se que a causa não era do meu já velho susto. E lá volto ao espírito e à luta, mas de ideias.

Gostei de rever um rapaz da minha idade, o Padre Vaz Pinto. Conheci-o, de Cernache, Coimbra, quando eu já não era católico, em conversas com o Padre Felgueiras, o de Timor. Era correspondente do Expresso em Coimbra e “motard”, contando-me das experiências que tivera na Polónia e na Cuba dos comunistas. Foi boa a vacina da verdade. Julgo que estamos na mesma. À procura. Infelizmente, ainda não achei, mas continuo a navegar.

E em todos os censos, sou discriminado. Obrigam-me a pôr “sem” nenhuma dessas religiões elencadas pelas porcarias estatísticas que não admitem a pluralidade de pertenças. Não há espaço para heréticos nem para panteístas, mas apenas para os filhos dilectos de vários rebanhos do Senhor e para os que reduzem substantivos a adjectivações. E ainda por cima, as minhas crenças são tipificadamente comungadas por milhões e tão identificadas que algumas vezes até foram punidas por ideologias que começaram a assaltar os Estados em 1917 e 1922, já que o Código de Direito Canónico não se me aplica. Muito menos, as várias bulas proibitivas emitidas por certos teólogos oficiais de outra religião do livro, a começada em 622.

Partem é do preconceito de considerarem os “sem Deus revelado” como “contra Deus”, isto é, agnósticos, na versão benigna, ou ateus, na versão maniqueísta, mesmo sem fogueira. É a chamada falsificação estatística, sobretudo para quem é tão a favor de Deus que defende o pluralismo dos divinos, mesmo admitindo, como bom pagão, a superioridade de um deus desconhecido e para quem é tão coincidente com os cristãos que vai por aí acima, raiz a raiz, e chega aos estóicos.

É por isso que me apeteceu responder como “Protestante”… embora a pergunta seja legalmente facultativa. Mas é teologicamente parva.

Isto é, obrigaram-me a mentir para me aproximar da verdade, ao ter de colocar o “sem religião”, quando, regiamente, sou “um homem religioso”…

Abr 17

A partidocracia continua a ter medo de cometer erros

Acordei a ver programas religiosos na RTP2. Primeiro, os evangélicos, bons. Depois, o CUPAV dos meus amigos jesuítas, óptimos. Um pouco de espírito faz-nos homens. Sobretudo, no dia seguinte a uma tarde de hospital, por causa de um susto que não passou disso mesmo, mas graças a análises e aparelhos, determinou-se que a causa não era do meu já velho susto. E lá volto ao espírito e à luta, mas de ideias.

Gostei de rever um rapaz da minha idade, o Padre Vaz Pinto. Conheci-o, de Cernache, Coimbra, quando eu já não era católico, em conversas com o Padre Felgueiras, o de Timor. Era correspondente do Expresso em Coimbra e “motard”, contando-me das experiências que tivera na Polónia e na Cuba dos comunistas. Foi boa a vacina da verdade. Julgo que estamos na mesma. À procura.

 

Depois dos programas religiosos, passamos agora, nas televisões, à religiosidade secular ocupada pelas seitas que vão destruindo as crenças cívicas. Um dos pastores, que estando no púlpito, apenas zurze sobre os pastores adversários, para mobilizar suas ovelhas, vai palrando em teleponta. Desligo.

Hoje, os fraccionários da cidade, os que nem sequer têm dimensão de dissidentes, vão voltar a ser os velhos censores, não dos que fixam a lista dos cidadãos, mas dos que estabelecem a lista parlamentar da classe política, distrito a distrito, onde metem meia dúzia de independentes, as cerejas que aparecem no bolo do costume. Hoje não é domingo de ramos, é domingo de listas!

Por outras palavras, o poder não está no parlamento nem nos deputados. Está nos directórios partidários que o definem e os escolhem. Lenine chamava à coisa centralismo partidário. Coisa equivalente ao modelo weberiano da era pré-racionalismo normativo. Os fiéis continuam a ter o primado sobre os competentes. É a chamada legitimidade feudal, face aos fragmentários chefes de bandos.

PS na defensiva. Seguro fica. O resto dos cabeças de listas coincide, em novidades, com o ministerialismo, os respectivos ajudantes e um importante director-geral. A marca de água do situacionismo vigente equivale ao carisma. Com um pequeno toque de Comte, a “révolution d’en haut”. A clarificação pode não ser lá muito luminosa. Quanto mais baço, mais propaganda.

Vamos ser francos: a soma das listas PS, PSD, CDS, PCP e BE, em termos de meritocracia, são inferiores ao simples abaixo assinado dos notáveis, os chamados 47, da democracia antiga. Por outras palavras, mesmo as elites do situacionismo não foram convidadas, ou recusaram. Vou mais pela primeira alternativa.

A partidocracia continua a ter medo de cometer erros. E não foi apenas o reflexo condicionado Nobre. Os partidos já reconheceram a autoclausura reprodutiva. E temem as negas. Por isso se refugiam no conservadorismo do que está. E sabem, experimentalmente falando, que os investimentos se farão mais na aposta dos novos governantes. Parlamento aproxima-se do solar dos barrigas de 1895. Falta uma Segunda Câmara.

Basílio Horta como cabeça de lista do PS, confirma-se. Uma justa homenagem a uma certa alta da primavera marcelista, uma anterior aposta do PS, tanto através da candidatura autárquica do ministro das corporações Silva Pinto, como pelo recurso a Veiga Simão. E a colaboração dada pelo antigo secretário-geral do CDS desde Sousa Franco e a antiga e justa amizade com Ferro Rodrigues apenas reforçam a aposta de ambos.

A engenharia das listas dos candidatos ao arco da governação mostra menos renovação do que continuidade. Nobre reconheceu ter causado celeuma e assumiu erros. Para poder comunicar a mensagem alegórica do carro atolado, com muitos treinadores de bancada dando palpites. Permitiu que os críticos laranjas considerassem ultrapassado o equívoco. E reafirmou a identidade de esquerda. Continua no jogo, não foi eliminado.

Sócrates não fez purgas internas. Alegristas, soaristas, guterristas, ferristas e seguros perceberam que Sócrates pode passar, mas o PS tem de continuar. Até no eventual governo gestor das condições que os credores nos impuserem. Apesar de tudo, é boa notícia para a democracia.

Entre o erro plenamente assumido por Fernando Nobre e o erro que podemos cometer na negociação política com os credores, a partir da próxima semana, prefiro que não se cometa o segundo. E bem gostaria que o PCP mudasse o discurso silogístico, impondo as suas condições para adesão a um acordo de regime. Nem que seja um acordo quanto aos limites do desacordo.

Abr 17

Protestos de um homem religioso em dia de festa da árvore

E em todos os censos, sou discriminado. Obrigam-me a pôr “sem” nenhuma dessas religiões elencadas pelas porcarias estatísticas que não admitem a pluralidade de pertenças. Não há espaço para heréticos nem para panteístas, mas apenas para os filhos dilectos de vários rebanhos do Senhor e para os que reduzem substantivos a adjectivações. E ainda por cima, as minhas crenças são tipificadamente comungadas por milhões e tão identificadas que algumas vezes até foram punidas por ideologias que começaram a assaltar os Estados em 1917 e 1922, já que o Código de Direito Canónico não se me aplica. Muito menos, as várias bulas proibitivas emitidas por certos teólogos oficiais de outra religião do livro, a começada em 622. Partem é do preconceito de considerarem os “sem Deus revelado” como “contra Deus”, isto é, agnósticos, na versão benigna, ou ateus, na versão maniqueísta, mesmo sem fogueira. É a chamada falsificação estatística, sobretudo para quem é tão a favor de Deus que defende o pluralismo dos divinos, mesmo admitindo, como bom pagão, a superioridade de um deus desconhecido e para quem é tão coincidente com os cristãos que vai por aí acima, raiz a raiz, e chega aos estóicos. É por isso que me apeteceu responder como “Protestante”… embora a pergunta seja legalmente facultativa. Mas é teologicamente parva. Isto é, obrigaram-me a mentir para me aproximar da verdade, ao ter de colocar o “sem religião”, quando, regiamente, sou “um homem religioso”… Marxistas, libertinos, liberais, colectivistas, individualistas, ateus, místicos, agnósticos e panteístas que se cuidem. Nenhum da vossa laia chegará a papa, segundo o conterrâneo de Lutero. Vão mas é plantar macieiras!