neste país das maravilhas de uma Europa em bolandas

Bom dia, bom ano, neste país das maravilhas de uma Europa em bolandas. O mundo continua a girar em torno do seu próprio eixo. E cada um de nós pode rodar em dignidade. Basta que a espinha não torça, mesmo que ameace quebrar. Eu prefiro estar preparado para olhar o sol de frente, quando passar o nevoeiro. 2012 poderá ser “horribilis” para o portugalório da Ilusitânia, mas será, em contraciclo, um mundo melhor, para a maior parte da humanidade, com menos fome, menos peste e menos guerra.  Mesmo que não beneficiemos directamente com a ascensão a grandes potências de alguns dos nossos plurisseculares parceiros de história, a que chamaram emergentes, pode chegar uma nova idade, a do poder dos sem poder, com os até agora vencidos da vida a revogarem a velha história dos vencedores.  Mesmo que o sonho de um Atlântico crioulo não desemboque no Tejo, porque preferimos o conforto do Bugio à aventura da pororoca, os novos sinais dos tempos prenunciam uma nova idade, de que fomos armilarmente profetas.  Daí que o verbo Portugal continue a ser substituído pelo nacionalismo patriotorreca, que alguns psicopatas sentenciadores vão conjugando, em pretérito de revisionismo histórico, enquanto a partidocracia persiste na auto-clausura reprodutiva, entre uma direita que convém à esquerda, a da mera oposição empírico-analítica ao fantasma do inimigo, para que este, em preconceito, acirre o pensamento RGA, o da nostalgia da revolução por cumprir, onde o Maio 68 continua a algemar a libertação de Abril.  Todos com historiografias do caixote de lixo das ideologias, neste país dominado por enjoados manhosos, que sonham instrumentalizar a luta de invejas, pela tradicional subversão a partir do aparelho de Estado.

Comments are closed.