Direitas e esquerdas. Preconceitos de esquerda. Fantasmas de direita.

A esquerda real depende sempre da direita a partir da qual ela se define, e vice-versa. Até porque, para haver esquerdas ou direitas, tem que haver a mitificação de um adversário, onde aquilo que se fantasia ou demoniza no outro leva à definição de cada uma dessas posições relativas. Por outras palavras, a esquerda e a direita não são posições ontológicas nem podem ter uma definição ideológica, válida para qualquer tempo e lugar. E em Portugal, o que temos são preconceitos de esquerda e fantasmas de direita. Aliás, se partíssemos da classificação clássica das direitas e esquerdas, oriunda do galicismo pós-revolucionário, teríamos de dizer que as direitas são os conservadores do que está e as esquerdas, os que querem mudar, pelo que teríamos de concluir que, aqui e agora, as esquerdas são efectivamente a direita, onde não faltam governos ditos de esquerda com programas de direita, depois de governos de direita com estilos de esquerda. Com efeito, coube à França ter caracterizado as opiniões políticas a partir da topografia da Assembleia Constituinte. De um lado a direita, dita dos aristocratas ou dos noirs; do outro, a esquerda dita dos patriotes. E não tardou que se distinguissem os reacteurs ou reactionnaires dos progressistes, para logo a seguir chegasse o termo conservateur, para qualificar todo e qualquer adversário do changement. Era a consagração da visão geométrica da política, onde todas as opiniões teriam de caber num semi-círculo, com largo espaço para outro semi-círculo oculto. Os nossos situacionistas, de esquerda ou de direita, são um símbolo mole daquele situacionismo que ora se revolucionariza com os ditirambos serôdios, ora se fica pelas meditações seraficamente puritanas, marcando os limites de um certo paúl mental, em que continuam a pantanizar-se os intelectuais que dizem servir as ideologias daquelas esquerdas e daquelas direitas que, de vez em quando, reagem contra as obras “The End of Ideologies”, publicada por Daniel Bell em 1960, e “L’Oppium des Intelectuels”, de Raymond Aron, saída cinco anos antes. Por outras palavras, muitas das nossas esquerdas dinossáuricas já se aliaram àquelas direitas de velas de cera e feijões verdes, porque ambas, como dizia o antigo, mas não antiquado, liberal Ortega y Gasset, continuam a ser uma estupidificação típica dos que sofrem de hemiplegia mental e que nos querem binarizar, de forma maniqueísta, conforme a aprendizagem juvenil dos amanhãs que cunha lizam ou Salazar izam. Porque a direita a que chegámos resulta da esquerda que temos, principalmente quando a direita a quem concedem o direito à palavra é a direita que convém à esquerda, onde os que emergem são sempre os que representam as caricaturas do autoritarismo, do capitalismo de faca na liga, com chapéus de coco e almas de corsário, do anti-ecologismo e do colonialismo mais serôdio.  Como sou liberal, de cepa burkiana e hayekiana, com pitadas pessoanas, apenas não posso é negar que foi o direitista e conservadoríssimo Churchill o principal bastião da luta da liberdade contra o totalitarismo, quando os comunistas, incluindo os ex-, apoiavam o pacto germano-soviético, e outros mesmos se esqueciam do massacre de Katyn. Eu que sou liberal e que, quase por conclusão, por causa da mentalidade suicida de certa esquerda deste “reino cadaveroso”, tenho que ser, excentricamente, de direita, prefiro até notar que alguns marechais da velha direita têm preferido a falsa síntese salazarista-soarista e continuam silenciados sobre este debate entre a esquerda e a direita, só porque pela esquerda e pela direita governamentais foram, e são, teúdos, prebendados, manteúdos e medalhados. E porque não gosto da “servitude volontaire” dos aduladores de príncipes, nem do falso consenso onde navegam muitos dos nossos “cadáveres adiados que procriam” epitáfios, memórias, discursos que fazem chorar as pedras da calçada e outra literatura de justificação, sempre direi que prefiro os perturbadores do mundo que se angustiam com o futuro e recolhem, à esquerda e à direita, o que, amanhã, perante novas circunstâncias, será das novas esquerdas e das novas direitas. Percebam, pois, os refundadores da esquerda que o dogmatismo não deixa de o ser só porque se pinta de antidogmático e que a Inquisição não deixa de continuar, mesmo quando passa a juntas Pombalistas de reforma de estudos ou a essa forma de policiamento político-cultural, herdeira dos el-rei Junots que nos continuam a invadir. Percebam que, em liberdade, as esquerdas serão feitas com o que muitas direitas semearam e vice-versa. Não se fiem nesses que, mal chegaram às delícias do poder, logo “puseram na gaveta” as ideologias que os levaram ao tal lugar de distribuição autoritária de valores. O PS sempre disputou o espaço que o PSD pensa dele. Sócrates que veio da JSD, quando assumiu o poder disse exactamente mesmo do que Cavaco, nas mesmas circunstâncias. Que eram da esquerda moderna e que tinham como ideólogo Bernstein, o revisionista marxista, quase contemporâneo dos pais de Salazar . Por outras palavras, entre o socialismo democrático do PS e a social-democracia do PSD, há as duas faces do mesmo Bloco Central, onde costuma desempatar a chamada direita dos interesses.Contudo, o tribalismo PS, marcado pelos discursos do “pai ausente”, mas sempre presente, que, enquanto governou pôs o socialismo na gaveta, tem procurado manter o paradigma de certo esquerdismo político-cultural, enquanto os marechais e os organizadores da chamada direita nunca dizem que são de direita e preferem elogiar o situacionismo ou assumir a prebendas senatoriais, pelo que se gera uma espécie de direita que convém à esquerda. Podemos dizer que os preconceitos de esquerda têm sido mais fortes do que os fantasmas de direita e têm conseguido assumir-se como vozes tribunícias de uma certa oposição social, dado que sempre que a direita desce à sociedade civil, sem ser para o negocismo ou o clericalismo, logo o discurso dominante do politicamente correcto a demoniza como populista.

Comments are closed.