O programa educativo do PSD

Santana Castilho, ao alertar ontem para os programáticos que costumam assaltar o PS e o PSD, entre a reencarnação de Maria de Lurdes Rodrigues e uma Isabel Alçada de saias, confirmou a parte mais incompetente dos programas actuais das duas principais forças do Bloco Central na parte educativa, baseados na tecnocratice do educacionês, herdeiras de Veiga Simão e Roberto Carneiro.

 

Catroga, como avô de si mesmo, foi fiel, no programa do PSD, ao maior erro do cavaquismo, cedendo aos avaliólogos e educacionólogos e as que se visionam como ministros, só porque os escrevinhadores das alíneas sobre educação e universidade adoram o novo deus da economia como rainha das ciências sociais. Ao ceder ao conservadorismo do que está, demonstrou a total incapacidade de reforma.

 

A educação e as universidades, marcadas por dezenas de anos de incompetências ministeriais cimeiras e pelos jogos corporativos que às mesmas e entre si se estiolam, nunca serão capazes de sair da encruzilhada com as alíneas das forlhas de “Excel” subscritas por Catroga ou pelos restos programáticos do PS. A não ser para gáudio dos ministeriáveis, reitores, educacionólogos e avaliólogos que se querem vingar.

 

A seita dos irmãos-inimigos do educacionês, os donos daquele discurso hermético dos seminários e consultadorias onde se beijocam pss, psds e cdss do mais do mesmo, ainda não compreendem que gastamos demais para aquilo que devíamos fazer, onde deveríamos fazer muito mais, com professores que professam e escolas livres dos tecnocratas e das sucessivas ditaduras da incompetência dos controladores que nunca fizeram.

 

A catrogueirice educativa enxameou-nos as escolas e as universidades de bloqueios centrais e cartéis de votos e carreirirsmos, onde os dissidentes são escorraçados e processados, porque eles querem ter o estúpido monopólio do desastre, manuseando a mesa do orçamento. Todos gaguejam! Incluindo os que se dizem antigagos, só para o poderem substituir ou dele se vingar!

 

Já não comento mais catroguices e desmentidos de ajudantes de catroga sobre as respectivas prestações. São directamente proporcionais à ultrapassagem do prazo de validade dos remédios socráticos e cavaqueiros. Quando o PS devia ser pós-socrático e o PSD, pós-cavaquista. Entre a banha da cobra e as folhas “Excel” do planeamentismo antiplaneamentista, venha o diabo e escolha!

Comments are closed.