Setembro cor-de-rosa em forma de abecedário republicano

Absolutismo Infelizmente, a herança absolutista, tanto das revoluções como das viradeiras, incluindo a do autoritarismo do século XX, obriga a sucessivas reeleições do situacionismos, dado que não continua a vislumbrar-se um pessoano indisciplinador que nos faça regenerar a fibra multissecular da independência. Mais do que falta de vontade política, há um vazio colectivo de vontade de sermos independentes.

Angola é nossa! A constituicao é nossa. A republica é nossa. O Estado somos nós. Nós, os timoneiros sem leme, nós, os donos do poder, onde quem parte e reparte não é burro e percebe da arte…
Bocas do estadão Quando o Estado tem como bocas que pronunciam as palavras da pátria os ministros Lacão, Silva Pereira e Mendonça, apenas podemos concluir que conquistar e manter o poder já não rima com governar. Apenas podemos concluir como quem mais durou em São Bento no século XX: “o exencial do poder é procurar manter-se…” (deixamos o sotaque sontacombandense, no erro ortográfico, para efeitos identificadores da obstinação…)
Centrão de náuseas Temo que as sereias do situacionismo nos atirem para a instabilidade de um centrão nauseabundo e conformista, onde, na falta de rei, um qualquer roque pode servir, para que continue o regabofe desta clausura sistémica e auto-reprodutiva…
Chefaturas Já descobri a causa do ruído: esta democracia está prenhe de despotismos e chefaturas, do servilismo dos cortesãos e clientes, da venalidade dos chamados servidores, do luxo dos empregados e da injustiça dos patrões, fidalgos e camaradas. Vou, por isso, reler São Tomás More… “Outra espécie de homens costuma ajuizar os talentos dos escritores sentados À volta de canecas de cerveja… Mas só quando se encontram, como diz o ditado, fora do alcance de tiro. Pois são tão escorregadios e astutos que só o fazem fora do alcance de homens honestos que lhes aplicassem o correctivo merecido” (Tomás, More, “Utopia”, Epístola)
Cobardia Uma cobardia difusa, como no avestruz que mete a cabeça na areia, alimenta uma classe política predadora. E o que se passa lá em cima, no cume do Estado, propagou-se para baixo, corrompendo todos os redemoinhos sub-estatais, de universidades e autarquias aos mais minúsculos dos serviços público, onde a febre do facciosismo, do clientelismo, do fanatismo, da ignorância e da intolerância se transformou em epidemia…
Colectivismo moral de seita Um dos males de Portugal tem a ver com o colectivismo moral de seita. Muitos, que não vivem como dizem qualificar-se politicamente, consideram que o mal e o bem são como a direita e a esquerda, não admitindo que o o bem tem muitos pedações de mal e vice-versa…Ser justo não depende do sítio onde se está nominalmente, mas do viver como se pensa, sem pensarmos como depois vamos viver…
Constituição E nem sequer nos serve que continuem a tecer a presente renda de bilros constitucional, especialmente a que nos impede uma solução democrática imediata, só porque estamos suspensos por uma eleição presidencial, num modelo que ameaça lançar-nos para o redemoinho de uma república impotente…
Decretinos Persisto em revolta contra as abstracções da constitucionalite, manipuladas pelo decretino do poder instalado, mesmo que este se chame pós-revolução ou estadão xuxial. Na prática, a teoria é outra: o legalismo regulamentar cunhado pelo martelo da golpada, incapaz de assumir a possibilidade de leis injustas e de poderes ilegítimos. Todos atingem o orgasmo com um simples processo disciplinar!
Défice A desgraçada situação financeira em que nos encontramos continua a ser completamente ocultada ao homem comum, através daquela refinada técnica de propaganda chama hiper-informação, com sucessivas bombas de desfragmentação que nos fazem sobreviver neste aparente jardim das delícias partidocráticas…
Ditadura do estado a que chegámos Lá vou acordando para esta ditadura do estado a que chegámos cuja síntese é a lacónica figura do ministro encarregado da oposição à oposição que dita a ideologia dominante como sacristão que perdeu o sentido dos gestos, com comunistas e bloqueiros ajudando à missa dos que querem conservar o que está…
Estado social I E ninguém diz que quem proclamou o Estado Social em Portugal foi Marcello Caetano, o nome que quis dar ao Estado Novo sem Salazar…O conservadorismo do que está (PS, PCP, BE e D. Carlos de Azevedo) e que, inquisitorialmente, declara heréticos os que não são bombeiros pirómanos, não repara nas origens domésticas da coisa. O PREC e o pós-PREC apenas continuaram a tradução em calão que Salazar fez de Bismarck (Wohlfahrstaat) e de Jules Férry (État Providence), com meio século de atraso…E agora o bom e velho Estado já não há. Vive em união de facto e de direito com o Estado da União Europeia, onde até os orçamentos nacionais têm visto prévio da fonte donde jorra a moeda única…
Estado social II Logo quando dizem que a direita radical é liberal e neoliberal, os cantarolodores do pensamento único, apenas confirmam que Salazar era da esquerda, socialista e tudo. Daí que um consequente anti-salazarista prefira ser da facção liberal que tanto inventou o Estado Racional-Normativo (fundado por Mouzinho da Silveira) como criou no pós-guerra o Welfare State (Beveridge, aqui traduzido por Armando Marques Guedes…)
Falta de palavra Quando os políticos mais altezas da nossa teatrocracia mostram os traseiros da falta de palavra, apenas podemos concluir que eles não sabem olhar o sol de frente, quando pisam o palco comunicacional, não passam de sacristães que perderam o sentido dos gestos, baralhando o guião. Ainda não estamos na pessoana oligarquia das bestas, mas é evidente que a democracia resvala para a ditadura da incompetência!
Ideologia na gaveta Todos os partidos do nosso arco da governança, quando estão no poder, metem a ideologia na gaveta e só a usam como preconceito de esquerda ou fantasma de direita para fazerem jogos florais de oposição ao irmão-inimigo com quem acabam por repartir o bolo do estadão.
Imagem, sondagem e sacanagem Recordando a definição cunhada por Manel, o poeta, relativamente ao socratismo (“imagem, sondagem, sacanagem”), apenas temos que enaltecer José Pinto de Sousa: conseguiu que o candidato alegre se enredasse na teia. Só que Coelho acelerou os Passos, em nome de outro lema (“quem com agenda mata, pela agenda pode morrer”), todos trocando de papéis nesta teatrocracia…
Jogos florais Os jogos florais politiqueiros sobre a razão atendível do princípio da melhoria incontestável fazem parte da quantidade de energia que se gasta numa tentativa de mudança, mas que fica para sempre na zona do desperdício. Até há pouco esse lixo da entropia estava sujeito ao princípio da gravidade do bom senso. Agora, dispersos em falta de senso, do bom ou do comum, pairam como detritos tóxicos do “agenda setting”…
Mortos-vivos O morto-vivo deste sistema partidocrático e plutocrático, com os seus aparelhismos de controlo da política, da economia, da sociedade e dos indivíduos, bem como dos financiamentos da conquista do poder, parece estrebuchar, mas ainda tem suficiente energia para nos continuar a amarfanhar em podridão de pântano…
Palhaços E voltou o ruído da propaganda dos palhaços do circo que prometem pão em nome do estadão; invocam o fmi, instrumentalizando a pátria; ou cantarolam consenso, usando a palavra Alemanha, a conselho da banca ou para que o presidente que está seja reeleito. Já estou farto deste domínio do ninguém, accionado pelo chamado comunismo burocrático e pelas homilias das sopeiras do regime…
Presente-passado Soares e Cavaco, os pais-fundadores do situacionismo da Europa dos subsídios e dos patos bravos, lá vão falando, mas já não fazem, nem arrependimento. São presente-passado, como o centenário da república, neste exagero de pretérito sem saudade de futuro, transformando os brandos costumes num mero comemorativismo quase funerário. Resta a incógnita da revolta, em regime de prognóstico depois do fim da bandalheira…
Propaganda As raízes do patriotismo foram decepadas pela propaganda e pelo “agenda setting”, onde se elevam a protagonistas os meros activistas que transportavam a pasta para as velhas récitas de salão paroquial, com guiões comprados em saldos de naftalina.
Soberania da coragem Só a soberania da coragem pode dar uma resposta institucional a estas circunstâncias excepcionais. Não há um qualquer D.Sebastião orgânico que possa fazer um golpe de Estado constitucional. Apenas resta um acto de humildade: o Parlamento renunciar à ditadura sistémica da partidocracia…
Sociedades discretas As discretas reuniões dos donos do poder deram em raia parlamentar e em sacristas entrevistas a Judite de Sousa. Apesar de muitas comadres em palhaçada, ainda não desabou a algazarra da verdade. Os mantos diáfanos da literatura de justificação ainda recobrem um povo de impostados que não quer assumir o risco da cidadania fiscal. E o orçamento ainda se assemelha a um caixa multibanco da árvore das patacas…*
*In Albergue Espanhol

Comments are closed.