Protestos de um homem religioso em dia de festa da árvore

E em todos os censos, sou discriminado. Obrigam-me a pôr “sem” nenhuma dessas religiões elencadas pelas porcarias estatísticas que não admitem a pluralidade de pertenças. Não há espaço para heréticos nem para panteístas, mas apenas para os filhos dilectos de vários rebanhos do Senhor e para os que reduzem substantivos a adjectivações. E ainda por cima, as minhas crenças são tipificadamente comungadas por milhões e tão identificadas que algumas vezes até foram punidas por ideologias que começaram a assaltar os Estados em 1917 e 1922, já que o Código de Direito Canónico não se me aplica. Muito menos, as várias bulas proibitivas emitidas por certos teólogos oficiais de outra religião do livro, a começada em 622. Partem é do preconceito de considerarem os “sem Deus revelado” como “contra Deus”, isto é, agnósticos, na versão benigna, ou ateus, na versão maniqueísta, mesmo sem fogueira. É a chamada falsificação estatística, sobretudo para quem é tão a favor de Deus que defende o pluralismo dos divinos, mesmo admitindo, como bom pagão, a superioridade de um deus desconhecido e para quem é tão coincidente com os cristãos que vai por aí acima, raiz a raiz, e chega aos estóicos. É por isso que me apeteceu responder como “Protestante”… embora a pergunta seja legalmente facultativa. Mas é teologicamente parva. Isto é, obrigaram-me a mentir para me aproximar da verdade, ao ter de colocar o “sem religião”, quando, regiamente, sou “um homem religioso”… Marxistas, libertinos, liberais, colectivistas, individualistas, ateus, místicos, agnósticos e panteístas que se cuidem. Nenhum da vossa laia chegará a papa, segundo o conterrâneo de Lutero. Vão mas é plantar macieiras!

Comments are closed.